Contato
Outros Artigos
   
   
Placa de Circuito Impresso
Método Termico
      Este texto mostra passo-a-passo como fazer uma placa de circuito impresso de qualidade e gastando muito pouco dinheiro. Você precisará de: uma placa de circuito impresso virgem (de preferência de fibra de vidro), o layout da pci bem legível e em preto e branco impresso numa folha comum (se você não tiver uma impressora laser não tem problema, vamos falar mais disso depois...), um pouco de solução de percloreto de ferro, furadeira, caneta de retroprojetor de ponta fina, um ferro de passar roupa, uma folha de papel de poliéster (esse é o melhor, mas se você não tiver faça com papel vegetal), pedaços de bom-bril, ferramenta para cortar a placa e um estilete ou faca bem afiada, também será muito bom se você tiver um termômetro para acompanhar a temperatura do ferro mas esse fica opcional.

      1º passo: Layout

      O layout da placa deve estar (caso você não possua uma impressora a laser) desenhado na cor preta em uma folha comum branca, se o layout original tiver numa revista com o fundo de outra cor ou se as próprias trilhas tiverem uma cor diferente não vai dar muito certo, por isso você deverá usar um bom programa de edição de imagens (eu uso o Photoshop) para corrigir esses problemas. De qualquer modo, o melhor layout é aquele que você próprio desenhou em seu computador usando um software adequado, por exemplo, o Eagle, e imprimiu em sua impressora na melhor qualidade... Com o layout na mão pegue sua folha de papel de poliéster e vá a uma papelaria que tenha uma máquina de xerox com tonner, peça para o atendente por a impressão o mais escuro possível, pois assim sairá mais tonner, e tire uma cópia do layout no papel de poliéster. Se você notar bem, o papel de poliéster tem um lado que é mais liso e outro mais poroso, isso fica bem mais fácil de perceber quando molhamos o papel e, ao passar a mão, nota-se claramente a diferença, pois bem, a face que será impressa deve ser a face mais lisa pois assim o tonner se desprenderá mais facilmente depois. Com a impressora a laser o procedimento será o mesmo mas não haverá necessidade de se levar a uma papelaria, é só imprimir direto no poliéster.
      Aqui vai uma dica: a folha de papel de poliéster pode ser aproveitada para várias placas, para isso, antes de copiar o layout no xerox corte um pedaço de papel de poliéster no tamanho da placa com margens de +/- 1cm e prenda com durex em uma folha de papel comum na mesma posição em que ficará o layout (para ficar mais fácil é só imprimir duas vezes o layout original e usar uma impressão para colar a folha de papel de poliéster...).

 
    Detalhe da cópia do layout (clique sobre a imagem para ver, em cima, a cópia no papel poliéster e, em baixo, o layout original). Observe que o pedaço de papel de poliéster está colado em uma folha maior
 

      2º passo: Preparação da placa

      Com o layout no papel de poliéster é hora de preparar a placa, com a placa virgem na mão corte o tamanho necessário para o projeto e passe bom-bril para limpar a superfície cobreada. Lembre-se de não tocar nos lugares onde o bom-bril já foi passado para não sujar a placa !!!


 
    Aqui a placa está virgem até agora ela foi apenas cortada
       
    Após limpa e polida, a placa já está preparada
 

      3º Passo: Transferir o layout para a placa

      Agora chegou a hora de transferir o tonner do papel de poliéster para a placa. Vamos usar nosso ferro de passar roupas ajustado para 200 ºC, se você tiver um termômetro que agüente essa temperatura tente prendê-lo junto ao ferro, só não valer pôr por baixo, entre o ferro e a placa. Será preciso uma superfície bem lisa para que não dê problemas. O ideal é uma borracha de silicone especial só que essa é muito cara e como o objetivo é fazer com o menor custo possível vamos usar uma madeira bem plana e lixada mesmo, não use seu móvel da sala ou madeiras com verniz ou tinta porque como vai esquentar muito ela pode queimar e ficar toda preta...(o que também funciona muito bem são aqueles pegadores para coisas quentes de silicone que vendem na casa e vídeo, custa uns sete reais e se você estiver disposto vale a pena... nunca testei aquelas formas de bolo de silicone mas elas também devem funcionar desde que seja bem lisa, e sem desenhos).
      Se você tiver, pegue o silicone e ponha sobre a superfície de madeira com o lado liso para cima e depois ponha o papel com o lado impresso para virado para cima. Sobre o papel ponha a placa com o lado cobreado para baixo de modo que ela cubra totalmente o layout, em cima disso tudo vai o nosso querido ferro de passar que já deverá estar aquecido. Aperte com toda força e continue pressionando por 5 minutos, tire o ferro e deixe tudo lá para que esfrie naturalmente !!! Não toque na placa ou em qualquer coisa por 10 minutos para que tudo esfrie e você não se queime. Depois que estiver tudo frio pegue um pouco de água morna e coloque junto com detergente numa bacia (o suficiente para mergulhar a placa), deixe lá e não toque por mais 20 minutos. Se durante esse tempo você tentar tirar o papel pode ser que o tonner saia junto e não vai ser nada legal... Comece então a tirar lentamente e com cuidado o papel da placa, note que o tonner continua lá, faça isso na diagonal começando pelos cantos da placa e tente soltar o papel num sentido sempre diagonal em relação às trilhas... Vá molhando a placa no detergente e tirando o papel, deixe a placa sempre bem molhada. Pode ser que algumas trilhas se soltem ou que fiquem muito falhadas, para corrigir os erros use uma caneta de retroprojetor com ponta fina, as melhores marcar de canetas são PILOT e FABER CASTELL. Quando tiver certeza que está tudo bem sua placa finalmente está pronta para a corrosão.

 
    Papel de poliéster - com o layout já impresso em tonner - posicionado sobre uma superfície lisa
       
    Placa virgem posicionada com a face cobreada voltada para baixo
       
    Vista de perfil da placa virgem posicionada com a face cobreada voltada para baixo
       
    Ferro de passar prensando e aquecendo a placa sobre o papel de poliéster
       
    Temperatura ajustada em 200 ºC
       
    Placa com o layout já "colado" na face de cobre, no entanto, com o papel de poliéster ainda fixado
       
    Placa já sem o papel de poliéster, retirado utilizando a solução de detergente líquido
       
    Caneta de retroprojetor para corrigir as falhas do processo
       
    Placa pronta para ser imersa na solução corrosiva
 

      4º Passo: Corrosão

      Atenção: para corroer a placa vamos usar percloreto de ferro, um líquido cor de café que mancha roupas e tudo o que se pode imaginar, faça isso em um local apropriado e com roupas velhas, evite tocar no percloreto para não manchar os dedos e lembre-se de que não devemos deixar metais entrarem em contato com o percloreto pois eles podem ser rapidamente corroídos.
      Depois que as trilhas do lado cobreado da placa estiverem devidamente marcadas é hora de corroer o cobre que não será útil. Prepare uma solução de percloreto de ferro (a venda em qualquer loja de eletrônicos ou de produtos químicos) e dê um banho na placa mantendo-a submersa por aproximadamente 15 minutos. Atenção: não esqueça simplesmente sua placa lá, quando der uns dez minutos dê uma olhada e depois vá olhando em intervalos de alguns minutos, a solução vai ficando mais fraca com o passar do tempo, assim que é comprada corrói uma placa em apenas 10 minutos e daqui a uns meses demora até 20 minutos para corroer uma placa de mesmo tamanho. Após a corrosão lave bem a placa, seque-a e passe bom-bril para tirar o tonner. Qualquer curto-circuito entre trilhas ou ilhas é só usar um estilete para cortar o excesso de cobre. Pronto! aí está sua placa de circuito impresso, falta só furar.

 
    Nesta fotografia vemos a placa sendo retirada do banho na solução de percloreto de ferro. Neste estágio a área de cobre não desejada já foi eliminada
       
    Placa no mesmo estágio da fotografia anterior, porém já lavada.
       
    Agora a camada de tonner e tinta que protegeu a área útil de cobre já foi retirada utilizando o bom-bril
       
    Estilete sendo utilizado para eliminar uma pequena imperfeição (curto-circuito) na trilha
 

      4º passo: Furação

      Está quase acabando!! Agora só falta furar a placa, para isso vamos usar uma furadeira com broca de 0,7 mm até 1 mm, dependendo do tamanho dos terminais dos componentes, ou uma furadeira para PCI manual, que lembra um grampeador. Para furar placas de fenolite podemos usar o furador manual, se bem que com a furadeira fica bem melhor, já para placas de fibra de vidro furar com o furador manual é uma missão muito difícil, se não impossível, portanto eu recomendo o uso de uma furadeira do tipo da DREMEL , mas você pode usar sua furadeira desde que consiga encaixar a broca no mandril !!! Terminada a furação sua placa está pronta para soldar os componentes, divirta-se !!!

 
    Broca de 0,7 mm acoplada no mandril de uma furadeira do tipo "DREMEL"
       
    Executar os furos de acordo com as ilhas do layout
       
    Comparação da placa totalmente pronta com o desenho que originou o processo
       
    Placa completamente pronta para a soldagem dos componentes
 

      Conclusão:

      Usando apenas duas impressões de computador e um pedaço de folha de papel de poliéster como material de consumo a mais do que seria gasto se fizéssemos do velho jeito do papel quadriculado, da caneta de retroprojetor, régua, esquadro, gabaritos etc.. conseguimos um resultado final mais apresentável e com medidas precisas o que faz com que esta placa tenha um acabamento mais profissional sem que se gaste tanto tempo transferindo manualmente as trilhas de um papel milimetrado para a placa e sem os riscos de fazer conexões erradas ou esquecer trilhas, pode-se ainda, ao terminar o processo, repetir para o outro lado da placa a fim de gravar a máscara dos componentes.

      Sobre os direitos do autor:

      Esta é uma página pessoal, sem nenhum fim lucrativo e exclusivamente direcionada à troca de informações e ao ensino na área da eletrônica. Sua reprodução parcial ou total se torna proibida com base na Lei nº 9.610, de 19/02/98 por todo e qualquer meio de comunicação, sendo utilizada para fins comerciais ou não, notadamente, mas não exclusivamente, em jornais, revistas, páginas pessoais de terceiros, portais on-line de empresas, sites na área de eletrônica, trabalhos escolares, publicações ciêntíficas, periódicos, folhetos e finalmente, por todo e qualquer veículo, processo, ou meio de comunicação e publicidade, existentes ou que venham a ser criados.

      Copyright Ulisses Carneiro - 2005